segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Na calada da noite ela se sentia só. O ar estava pesado, denso demais. E o mundo estava ocupado demais para ver as marcas no rosto dela. E ela sabia, deveria prosseguir eternamente sozinha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário