quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

O “amor-genérico” e a perdição da vida.


 A morte de uma humanidade inteira!

     Perto das cinco horas da madrugada, me acordei de um sono cansado. Levantei e fui até minha janela, aberta. De repente me deu tanta vontade de sentar, ali mesmo. No perigo. Mas às vezes faz-se necessário enfrentar o perigo, enfrentar o medo. E num ato de impulso, o fiz. Fiquei ali, sentada na janela feito uma criança levada, enquanto o resto da cidade dormia sonhando seus sonhos mais intensos e profundos. A solidão das ruas era intensa, e nessas horas me sinto mais completa. Sem aquela gente fútil passando pelas ruas. Aquela gente perdida em uma época perdida. Enquanto chamam suas namoradas de “gostosas”, passam a mão em suas bundas e tudo vira uma putaria. Como diz uma musica do Cazuza: “Transformam o país inteiro num puteiro.”

      Estamos todos perdidos em um mundo onde a palavra “amor” torna-se banalizada, aonde o amor verdadeiro vai se perdendo. Sentada ali na minha janela, olhei para o horizonte e uma pergunta veio-me á mente: ‘Aonde o mundo vai parar?’. Estamos envoltos por coisas fúteis, onde a estética torna-se prioridade e todos esquecem que o essencial, é o caráter. Todos vão perdendo o bom senso. Estamos vivenciando algo que chamo de “amor-genérico”. Como aqueles remédios genéricos, que não são os verdadeiros e, porém mais baratos. Assim, dei esse nome. Amor-genérico. Onde o amor não é verdadeiro, onde pode ser encontrado em qualquer esquina com qualquer pessoa. Que culpa tem, os humanos, de serem animais tão inocentes!?  Inocentes de caráter, inocentes de amor, inocentes de vida! Poucos se salvam nesse mundo de hipocrisia, são poucos os que realmente sabem o significado do amor, e o vivem. As coisas podem melhorar ao mesmo tempo em que podem piorar. Apenas depende da humanidade, mas enquanto essa estiver perdida, o mundo inteiro se perde. O grande problema é: como salvar uma humanidade inteira? Se nada os faz pararem de serem tão idiotas. Eu tenho esperanças de um mundo melhor, sinto dizer que esse mundo existe só em minha cabeça. A cada ano, a cada nascer e a cada morrer, perde-se o conceito da vida. “E morrem como se nunca tivessem vivido.”

3 comentários:

  1. Palavras que realmente fazem ter a reação de "olhar para dentro".
    Parabéns...

    ResponderExcluir
  2. adorei teu blog *-* essa semana no meu blog postei tbm sobre amor, e é muito dificil de falar pois cada um sente de um jeito diferente, nós meninas temos que esperar o homem que nos chame de bonita em vez de gostosas, se todas pensassem isso acho que conseguiriamos seguir em frente e em um mundo melhor :DD

    se quizer me segue ae: http://mciccilini.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. adorei o blog, blogs romanticos são demais

    http://hrdoblush.blogspot.com/

    ResponderExcluir