segunda-feira, 30 de maio de 2011

Sorrisos esgotados

São tempos difíceis. O inverno vem chegando, com ele o frio e chuvas tempestivas. E eu não estou bem, e preciso que as pessoas percebam isso. Meus maiores sorrisos são falsos e a falta que sinto de mim mesma é a mais perturbadora. Preciso que as pessoas entendam que isso não é um drama, um desabafo ou um pedido de ajuda. Apenas quero que elas sintam que não estou bem, e parem de me cobrar as coisas. Junho vem chegando, não queria estar sim. Chega um tempo que você cansa de esconder essa tristeza, cansa de arranjar sorrisos tortos em vão, cansa de se esforçar para parecer feliz. Porque algo começa a acontecer com a gente, tão lentamente que nem sentimos, ou vamos tentando esconder que sentimos e acabamos acreditando que estamos bem quando a verdade é que nada esta bem. O problema começa quando a pressão ao seu redor aumenta. Eles vão tirando a nossa capacidade de felicidade fazendo com que sintamos na obrigação de circular a dor, e fazendo com que você engula as lágrimas. Passou tudo tão rápido que não tive como perceber o que me acontecia, e agora não sei como resolver. Eu me esforço, acredite, eu tento pensar ao me deitar que quando acordar o dia será mais bonito e o meu sorriso mais sincero.
 Mas toda vez que sorrio, na verdade eu quero ficar aos prantos e talvez te dizer que não consigo mais fingir, não quero brincar de ser feliz, que talvez minha vida esteja sendo irreal à mais de um mês. Quero te dizer que preciso de teu abraço e que preciso também que me deixe em paz. Ando cansada - mais que tudo- , de mim e dessa minha infelicidade incontrolável. Desse despertar na manhã, tomar café, colocar uma roupa pegar os livros e ir para a escola. Suportar as horas, suportar o dia. Pegar, novamente, os livros e voltar, novamente, para casa. Sentar à mesa e fingir ter tido um ótimo dia, implantar sorrisos melancólicos mais uma vez e tentar ser feliz pelo resto das horas. Mas não existe uma fórmula exata para a felicidade. Na verdade, não existe fórmula exata para nada. E cada vez fica mais difícil... Talvez eu precise de você aqui, precise do seu concerto. Ou talvez eu não precise. Preciso de um lugar novo, pessoas novas, carteiros novos, escola nova, ou dormir e tentar tudo outra vez. Acordar com aquela mesma velha farsa, e brincar de ser feliz.



Um comentário:

  1. Calma...Logo o tempo passa e os sorrisos voltam em montão, afinal é melhor ser alegre que ser triste.

    =)

    beijon.

    ResponderExcluir