quinta-feira, 30 de junho de 2011

Abra a mente!

“Nas pregações religiosas o ato homossexual é propagado como coisa abominável - interpretação literal de textos milenares, escritos por quem pertenceu a uma civilização extinta e pouco ou nada mais tem a ver com nosso tempo. Por mais que as igrejas esclareçam que são contra qualquer ato de violência contra os gays, na prática, a mensagem que fica é de que o ato homossexual deve ser evitado e é abominável, errado, condenável, indesejável, passível de punição. A mensagem principal é tão forte e tão identificada com os preconceitos, que reforça a convicção da maioria pouco afeita à reflexão de que o homossexual é um ser indesejável e que não faria mal se ele não existisse ou que, no mínimo, ele não se manifestasse (eliminar homossexuais foi e é prática corriqueira entre inquisidores, nazistas, e aiatolás). A mensagem da rejeição é tão forte que as igrejas mais sérias correm para ressalvar que os gays, embora errados em seus atos, devem ser amados. Dizem isso, de olhos arregalados, para evitar que a turba cometa linchamentos. Então, o comportamento dos ilibados justiceiros pode ir, dependendo do grau de “compaixão”, da simples cara feia diante de uma manifestação de afeto, ao assassinato (há sim pessoas decentes, incluindo crianças e adolescentes, que são mortas apenas por serem gays), passando por insultos, intimidações, ameaças e todo tipo de agressão física. Gays são agredidos pelos mesmos motivos que os heterossexuais, mas também o são porque são gays. Acredito que seja necessário fazer algo para evitar que pessoas sejam discriminadas ou violentadas por sua aparência ou orientação sexual ou por manifestarem afeto publicamente. Imagino, porém, que a educação e o esclarecimento à luz do melhor e mais evoluído pensamento filosófico e científico prepararia os homens para a convivência livre, harmoniosa e respeitosa. O obscurantismo pode levar ao acirramento das diferenças, à violência e ao sofrimento.
As igrejas têm grande poder e exercem enorme influência sobre o povo. Acho que elas deveriam atualizar seu pensamento, ressaltar o que pode haver de positivo nos homens e não se apegar a tradições que acabam por separar as pessoas entre supostamente bons e maus, supostamente certos e errados. É o que acabam por fazer quando insistem em propagar textos negativos e obscuros. De alguma forma, talvez subliminarmente, dão legitimidade a atos discriminatórios e à violência contra os homossexuais. A liberdade de expressão religiosa deve ter sim algum limite apropriado para o nosso tempo e momento civilizatório. Se assim não for, qualquer religioso poderia conclamar seu rebanho à discriminação dos judeus por terem matado Jesus. Ou à execração dos gentios, negros ou quem quer que seja simplesmente porque, a seu ver, isso está escrito. Acho que a liberdade religiosa indiscriminada, sem limites, pode provocar aberrações, como as que ainda ocorrem no país mais rico do mundo. Creio que as religiões deveriam se concentrar na essência mais simples e nobre de seus fundadores que, no caso do Cristianismo, é simplesmente o amor incondicional, sem julgamento ou condenação.” 

E ainda há pessoas que preferem ver gente matando, roubando e espancando a ver um casal gay. Por favor, abra a sua mente! Só isso. Porque ser gay não é uma escolha, e ninguém deve ser reprimido pela sua forma de amar. É apenas amor. Não estamos fazendo nada de errado. Se você ainda for homofóbico, eu sugiro que deixe de cer cego e abra os olhos ao seu redor, e use seu cérebro para alguma coisa. Para dizer não a homofobia. "Reveja seus conceitos ou morra com essa sua mente de 2cm²." 
Porque só queremos ser livres para poder amar! 


quinta-feira, 23 de junho de 2011

Memórias

A vida segue a barca enquanto vamos perdendo coisas pelo caminho. Um dia, no cair de uma tarde, desenterramos coisas guardadas em uma caixa de papelão. Pessoas e suas histórias. E pensar que de repente toda nossa vida resume-se a cartas antigas, roupas esquecidas e nossa boa memória. Lembrancas dos que não vivem, ou os que ainda vivem, perdidos em algum ponto de nossa estrada, deixados para trás. Resquícios de lugares, numa vaga tentativa de refazer uma vida como em um filme -daqueles bem antigos- onde rebobinasse a fita. Algumas pessoas ainda encontraremos em um dia qualquer, outras nunca mais as vemos. De tudo o que passa, só resta saudades. Mas a fita é longa, faz-se necessário continuar a filmagem. Um dia descobriremos o sentido disso tudo.


sábado, 11 de junho de 2011

L'esprit²

Era uma jovem, cujo destino ninguém saberia - nem mesmo os deuses. Tinha tanto amor, por tudo ao seu redor. Um amor escondido, perdido, desaparecido. Nascia e morria. Recobria. No entanto, olhando de longe, era apenas uma pessoa calma, que dançava ballet clássico e delicia-se ouvindo o som do piano ao lado. Viaja para dentro de uma mente infinita de sonhos e planos. Quem, ao olhar para ela assim, sentada por cima das pernas, mãos no colo e olhar vago apontando para direção alguma, tentaria decifrar seus pensamentos. Impossíveis, até para ela mesma. E de repente surpreenderia-se ao se ver diante de um espelho. Fitaria aqueles pequenos olhos de porcelana, por horas, veria imagens transpassadas com a sua e perderia-se entre as pessoas. Todas aquelas imagens e vozes, passando correndo ao seu redor, umas gritando e outras chorando. Veria. Por fora, nada se vê. Mas dentro do espelho ela entenderia seus desesperos. Olharia para o céu, e novamente para a terra. Ergueria-se e, sustentando aquele seu doce olhar vazio, seguiria seus passos. Os seus passos. E sonharia tudo. Mais uma vez!

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Venha

Estou esperando você vir. Venha, venha logo. Venha logo porque você não pode demorar mais que alguns minutos, venha logo porque eu não posso esperar por mais alguns dias. É preciso que você se apresse, para que não percamos todo esse caminho que construímos. Eu preciso que você venha logo, para não precisar mais me afastar de ti. Os dias estão passando e esta ficando cada vez mais difícil ter que te esperar, sentada em uma varanda nesses dias frios de inverno, bebendo um vinho e me perguntando “será que ele vem, ou não vem?”.  Então não é mais possível demorar um dia, uma hora se quer. Chegue logo, venha como vier, de carro, de ônibus, de trem, de avião, ou venha correndo, pedalando, patinando. Mas venha. Venha enquanto eu ainda te espero, sentada nessa varanda que começa a se fechar. Ainda há tempo, mas você precisa correr. 


quarta-feira, 8 de junho de 2011

Pensamentos Noturnos

     Semana passada, eu estava assistindo um reality show musical, e um dos jurados falou ao julgado para ele encontrar sua identidade. Incrível como essas palavras ficaram em minha mente. Encontrar sua identidade... Encontrar minha identidade. De um tempo para cá, venho me sentindo perdida de mim mesma. Como se eu estivesse vivendo para os outros, e não para mim mesma. Então eu devo agradecer àquele jurado, por ter aberto minha mente - por mais que não tenha falado diretamente para mim. 
     Algumas horas antes de dormir, fiquei pensando em minha vida, em como ela esta e como eu gostaria que estivesse. Resolvi mudar. E quando digo mudar, falo de mudar geral mesmo. Mudar o quarto, mudar o cabelo, mudar as atitudes, mudar minha auto-estima, que por sinal, estava um pouco para baixo. Resolvi me dedicar mais aquilo que eu gosto, e ao que me faz bem. Com tudo isso, fui aprofundando mais meus pensamentos, e percebi como algumas coisas andavam erradas. Porque nós vamos fechando a porta, sem perceber, aos poucos na cara de algumas pessoas. Vamos nos restringindo e restringindo a vida dos outros. Precisamos nos doar mais, dar mais, confiar mais. Os erros, as desilusões e os tapas na cara da vida estarão sempre aí. Mas disso, vamos aprendendo a retirar bons frutos com o tempo.
     O mundo esta precisando de mais. Mais compaixão, mais humildade, mais amor, mais sabedoria, mais mentes abertas. Qual valor tem a ignorância e o desprezo, se apenas nos afastam de nossos amigos, amores, familiares? Como diz a nova propaganda da Coca-cola "Os bons são maioria". Ainda há esperança, ainda há lealdade. E enquanto tudo isso existir, o mundo ainda não estará totalmente perdido. Mas por primeiro, precisamos nos tornar essa maioria. O resto vem com o tempo!


sexta-feira, 3 de junho de 2011

Arrisque

Hoje eu estava andando na rua e parei para perceber quantas pessoas passam por nós, quantas histórias, quantas vidas, e tudo tão calado. A maior parte do tempo não notamos as coisas e suas posições no mundo, deixando tudo passar despercebido. Tantas histórias de vida passam por nós a cada dia, tantas vitórias, tantas esperanças, tantos sorrisos e tantos choros, e medos, e lembranças. Você já parou para pensar que uma entre cem pessoas que passam por você, poderia se tornar alguém especial ou importante demais em sua vida? É só deixar entrar, abrir espaço, acolher. Mas elas passam... E a cada vez que passam, seu tempo diminui. Quando você decide mover a mão para abrir a porta que esta fechada dentro de você, pode ser tarde e a pessoa não estar mais ali, passando do seu lado todos os dias. Então, do que você tem medo? E uma resposta forma-se em minha mente: eu tenho medo do inusitado, medo do que é novo. Porque o novo é desconhecido e você nunca sabe do que esperar dele. Podem ser alegrias, ou decepções. Até podem ser ilusões demais. Mas é preciso deixar entrar, as coisas, as pessoas, e arriscar sem medo. Tudo aquilo que arriscamos, e deixamos ser, é o que trás forma à nossa vida!