domingo, 18 de dezembro de 2011

Despista-se

Os meus olhos não podem ver os seus, nem os dela, nem os do mundo. A visão esta tremida e a janela embaçada. Tudo o que me provara até agora, foi tudo o que eu não podia ouvir. Sinto ter chegado até aqui, e notado que ainda há algo dentro de mim prestes a explodir. Mas a vida é assim menina, aprenda a deixar o desnecessário para trás. Não importa quantos anos se passem, um dia você ainda verá que nem todas as barreiras foram  destruídas. Algumas foram apenas puladas. E é preciso que você volte, que todos nós voltamos, para mais uma vez tentarmos derruba-las. Algumas tempestades sempre acabam estando de volta, e nós temos que nos manter de pé. Eu tenho que me manter em pé, porque um dia eu prometi a mim mesma que nada mais me derrubaria. Mas sempre derruba, menina. Quero que você aprenda isso. Tudo o que foi dito a um tempo atrás, ecoa por todas nossas vidas atrás de nós. Esse é o poço sem fim de nossas vidas. Não há nada que possa calar, a voz que corre atrás de nós sempre alcança. Assim aprendemos um novo meio de despista-la, até a próxima. Porque nada pode ser mudado depois que o trajeto já foi traçado, nós apenas precisamos aprender a conviver com uma coisa dentro de nossas mentes: a falha. Mas a falha também fortalece. Mesmo que, muitas vezes, da forma errada. 

2 comentários:

  1. Adorei essa tormenta de idéias!... mas as vezes é preciso domar um pouco o que jogamos no papel. Dá para ser intenso sem jogar um leitor num labirinto, e mesmo que jogue sempre deixe algumas pistas para que ele não se perca por completo! Parabéns pelo sue talento!

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do texto, sempre tenho a mesma sensação de que coisas eu eu pensava ter superado no passado voltam de alguma forma como paredes que precisam ser derrubadas. Mas em contraponto com o texto acima desse, não acho que seja fraqueza, acho que faz parte do nosso crescimento!
    Estou seguindo o blog, gostei muito, inclusive da barra lateral e das frases!
    Se quiser conhecer meu blog, sinta-se em casa: http://poeticadepensee.wordpress.com/
    Abraços

    ResponderExcluir